Google+ Estórias Do Mundo: Israel: A Destruição de Sodoma e Gomorra

terça-feira, 3 de julho de 2012

Israel: A Destruição de Sodoma e Gomorra

, em Natal - RN, Brasil



Sodoma e Gomorra seriam cidades irmãs que ficavam na região sul do Mar Morto, as margens do rio Zerede, que se tornaram famosas na história do Cristianismo após terem sido destruídas por Deus por causa da impiedade de seus habitantes. A expressão, porém, acaba por englobar na verdade a região de mais três cidades-estado, Admá, Zebolim e Bela, que ocupavam o Vale de Sidim, uma região extremamente fértil por ser facilmente irrigada, mas que hoje se encontra submersa pelas águas do Mar Morto. 
O conto que envolve as duas cidades aparece no Livro do Gênese:

"O Senhor ajuntou: 'É imenso o clamor que se eleva de Sodoma e Gomorra, e o seu pecado é muito grande. E vou descer para ver se as suas obras correspondem realmente ao clamor que chega até mim; se assim não for, eu o saberei'. [Os anjos] partiram, pois, na direção de Sodoma, enquanto Abraão ficou na presença do Senhor". (18:20-23).
"Pela tarde chegara os dois anjos a Sodoma. Ló, que estava sentado à porta da cidade, ao vê-los, levantou-se e foi-lhes ao encontro e prostou-se com o rosto por terra. 'Meus senhores - disse-lhes ele - vinde, peço-vos, para a casa de vosso servo, e passai nela a noite; lavarei os pés, e amanhã cedo continuareis o vosso caminho'. 'Não - responderam eles - passaremos a noite na praça'. Mas Ló insistiu tanto com eles que concordaram e entraram em sua casa. Ló preparou-lhes um banquete, mandou cozer pães sem fermento e eles comeram. Mas, antes que tivessem deitado, eis que os homens da cidade, os homens de Sodoma, se agruparam em torno da casa, desde jovens até os velhos, toda a população.
E chamaram Ló: 'Onde estão - disseram-lhe - os homens que entraram esta noite em tua casa? Conduze-os a nós para que os conheçamos'. Saiu Ló a ter com eles no limiar da casa, fechou a porta atrás de si e disse-lhes: 'Suplico-vos, meus irmãos, não cometais este crime. Ouvi: tenho duas filhas que são ainda virgens, eu vo-las trarei, e fazei delas o que quiserdes. Mas não façais nada a estes homens, porque se acolheram à sombra de meu teto'. Eles responderam: 'Retira-te daí!' - e acrescentaram: 'Eis um indivíduo que não passa de um estrangeiro no meio de nós e se arvora em juiz! Pois bem, verás como te havemos de tratar pior do que eles'. E, empurrando Ló com violência, avançaram para quebrar a porta. Mas os dois (viajantes) estenderam a mão, e tomando Ló para dentro de casa, fecharam de novo a porta. E feriram de cegueira os homens que estavam lá fora, jovens e velhos, que se esforçavam em vão para reencontrar a porta". (19:1-11).

No entanto o trecho anterior, no capítulo 18, é importante para entender o que significa o conto.

"O Senhor apareceu a Abraão nos carvalhos de Mambré, quando ele estava assentado à entrada de sua tenda no calor do meio do dia. Abraão levantou os olhos e viu três homens de pé diante dele. Levantou-se no mesmo instante da entrada de sua tenda, veio-lhes ao encontro e prostou-se por terra. 'Meus senhores - disse ele - se encontrei graça diante de vossos olhos, não passeis avante sem vos deterdes em casa de vosso servo. Vou buscar um pouco de água para vos lavar os pés. Descansai um pouco sob esta árvore. Eu vos trarei um pouco de pão, e assim restaurareis as vossas forças para prosseguirdes o vosso caminho; porque é para isso que passastes perto de vosso servo'. Eles responderam: 'Faze como disseste'.
Abraão foi depressa à tenda de Sara: 'Depressa - disse ele - amassa três medidas de farinha e coze pães'. Correu em seguida ao rebanho, escolheu um novilho tenro e bom, e deu-o a um criado que o preparou logo. Tomou manteiga e leite e serviu aos peregrinos juntamente com o novilho preparado, conservando-se de pé junto deles, sob a árvore, enquanto comiam" (18: 1-8).
"Pois que Abraão deve tornar-se uma nação grande e poderosa, e todos os povos da terra serão benditos nele. Eu o escolhi para que ele ordene aos seus filhos e à sua casa depois dele, que guardem os caminhos do Senhor, praticando a justiça e a retidão, para que o Senhor cumpra seu favor as promessas que lhe fez" (18:18-19).

Richard Hays, um dos autores a estudar a Bíblia em busca de referências contra a homossexualidade, é um dos primeiros a levantar-se contra o conto de Sodoma e Gomorra. Segundo ele, é notório, que o trecho que conta a história de Ló não é pertinente ao tema. O problema é que normalmente se ignora este trecho anterior ao capítulo 19, este que dispomos em seguida que trata da hospitalidade de Abraão, o que faz com que se interprete mal o capítulo posterior e não se perceba que ele compara a falta de hospitalidade dos cananitas de Sodoma com o exemplo de Abraão. A causa desta confusão, no entanto, também tem a ver com a presença da palavra "conhecer" na fala dos homens de Sodoma. Ele dizem: "Conduze-os a nós para que os conheçamos". A palavra "conhecer", sobretudo no Gênese (além de Números, Juízes, Samuel e Reis), tem como significado também "encontro sexual" e causou essa interpretação errônea sobre o trecho.
O principal problema é que esta interpretação é medieval. Um erro cometido de interpretação ocorrido a partir do ano mil. E que faz as outras referências feitas a Sodoma perderem do seu contexto original quando lidas por nós hoje em dia. As referências feitas, por exemplo, em Deuteronômio (29:23 e 32:32) se referem aos pecados que fizeram Deus destruir a cidade, no caso da idolatria; em Isaías, Jeremias e Ezequiel, além de Amós e Sofonías, há uma comparação feita entre Jerusalém e Sodoma: "Jerusalém e Judá destruídas, por causa de sua opressão como Sodoma" (Isaías 3:9), que critica o imperialismo de Israel, o mesmo que fazia Sodoma dominar todo o vale de Sidim; já no Novo Testamento, Mateus e Lucas falam de Sodoma relacionando-a com a falta de hospitalidade, enquanto João a vê também como opressora. Essa referências, no entanto, ao serem lidas a partir da chave de interpretação criada pelo monge Pedro Damião, no século X d.C., criam uma imagem diferente sobre o texto bíblico, distinto do seu significado original, que associavam Sodoma ao pecado da sodomia, isto é, as relações sexuais sem fins reprodutivos, das quais a principal é a relação anal entre dois homens. 

34 comentários:

  1. Respostas
    1. é exatamente a ideia desta coluna. que bom que vc gosta.

      Excluir
  2. quanta informação interessante! [2]

    Tu sempre informando - e arrasando!

    ResponderExcluir
  3. a única coisa q eu sei ou imagino saber é que em outras vidas eu vivi ou gostaria de ter vivido por lá ... kkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. para não receber bem os seus hóspedes?

      Excluir
  4. Menino, deixa eu ver se entendi. Você tá abrindo uma possibilidade de interpretação da destruição de Sodoma por um problema de falta de hospitalidade, é isso? Eu ouvi algumas “versões” (se é que podemos chamar assim) de um rabino que dizia que, mesmo que Abraão e Ló tivessem boas relações com os habitantes de Sodoma, o que aparecia como “pecado” era a ganância, o apego à riqueza e aos seus territórios... como coisa que os hebreus não se apegassem a coisas desse gênero. De qualquer forma o “pecado” da sodomia seria uma “invenção medieval”... é isso?

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. exatamente, Cesinha, é exatamente isso que estou fazendo aqui.

      Excluir
  5. Oi Foxx... meu lindo...a interpretação das histórias bíblicas são inúmeras, como vc mesmo sabe. A destruição de Sodoma e Gomorra, dizem muitos, se deve realmente a "pecados" pouco relacionados a sexo ou sodomia(daí o nome), mas muito, relacionado ao comportamento humano mais do que comum, nos dias de hoje. Ganância, falta de, caridade, hospitalidade, generosidade, fé e muitos outros como esses foram só o começo da estória. Isso segundo a versão de quem crê na destruição das cidades, por Deus.
    Mas, estudos dos mais variados tipos, comprovam (não sei como) que elas foram destruídas por fenômenos mais que naturais, nos dias humanos. Um desses estudos diz que elas foram destruídas por uma explosão vulcânica, outro por uma chuva de meteoritos(o fogo que veio do céu).. e por aí vai.
    Mas... gostei um bocado dessa explicação que vc nos deu. Mais uma vertente a explorar.
    Abraços lindo e, seu comentário lá no PP foi,... emocionante... só quem vive, viveu... sabe realmente do que falei.Gracias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bem, Margot, esta é a explicação que a história pode dar. Não existe nenhuma prova histórica de fenômenos naturais como vulcões e meteoritos em nenhuma parte da região do Levante, onde poderia ficar Sodoma ou Gomorra, ao contrário de, por exemplo, Tróia cuja cidade foi encontrada por arqueólogos durante o início do século XX. A localização geográfica, inclusive, que dou no mapa que começa o post é uma proposição a partir de referências que existem no texto bíblico apenas.

      Excluir
    2. Como eu disse, tais estudos feitos na atualidade, corroboram essas hipóteses. Como foram mostrados em documentários para TV de emissoras de peso, não creio que sejam inverdades. Mas é verdade sim, que não existem provas "históricas" dos acontecimentos naturais que citei.
      Resta-nos crer no que achamos mais plausível. A ira de Deus destruindo toda uma população(inclusive inocentes), ou, fenômenos naturais acontecendo no dia a dia do planeta. Fico com os fenômenos. Um Deus cruel não faz parte de minhas crenças. A bíblia nos confunde muito né, Foxx..
      Beijão meu lindo

      Excluir
    3. pois é, Margot, tb não creio que são inverdades, são teorias, não é? mas lembre que sou historiador e a ideia aqui desta coluna é mostrar uma perspectiva histórica sobre as referências homoeróticas na história, por isso me ative aquela que a história pode comprovar.

      Excluir
  6. Uma coisa é certa: você é um puta professor de história! Super didático, eu consigo entender a maior parte das coisas que você escreve. Uma dúvida que eu sempre tenho, não sei se nessa época que o texto trata, ou mesmo outra mais recente, a impressão que eu sempre tenho é que sempre existiram tribos (não sei se podemos falar assim) e nunca um povo hebreu. Tem fundamento isso? Ou é muito complicado e merece um outro post?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigado pelos elogios, Lucas, fico muito lisonjeado e feliz por vc entender tudo. mas caso haja qualquer dúvida pergunte que explicarei com prazer.

      e sobre as tribos: inicialmente o povo hebreu está sim dividido em tribos, porém, com Saul, existe a reunião de várias tribos sob o reino de Israel, enquanto duas outras tribos estavam no reino de Judá, de Moab, de Amón e de Aran, ou seja, as bíblicas 12 tribos estavam divididas em 5 reinos que guerreavam constantemente entre si, e com os vizinhos filisteus e fenícios.

      Excluir
  7. Então, eu me perdi.. acho que em um dos últimos livros que li, de ficção (eu sei) fala que sodoma realmente foi destruida pela falta de hospitalidade e pela ganancia. Pelo visto faz sentido memso né..

    E concordo, vc é um puta professor!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vc se perdeu aonde, Otávio?

      e obrigado pelo elogio.

      Excluir
  8. Sem dúvida, e não por este texto apenas, claro, você é um grande professor.
    Quanto a histórias bíblicas, sempre será difícil saber onde está a verdade e onde esta ficou ao longo dos séculos de traduções, interpretações e omissões, ao sabor do interesse de cada época, que a seguinte assume como verdade.
    Ou não entendi nada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. bem, Alex, eu não considero difícil reconhecer onde está a verdade no texto bíblico, a exegese e interpretação histórica, na minha modesta opinião, são suficientes para limpar de cima do texto "séculos de traduções, interpretações e omissões, ao sabor do interesse de cada época", pq se isso não for possível, essa coluna é absolutamente inútil.
      e obrigado pelos elogios, pena q essa vida de professor tem que ser abandonada.

      Excluir
    2. Sua opinião não precisa ser assim tão modesta, porque embasada em estudo e conhecimento. Mas acho que tudo isso a que você se refere serve exatamente para ir descobrindo novas verdades por trás da "escritura". Será que já chegamos à verdade absoluta e final?
      Aquilo que pra você é simples, pra mim será sempre enigma.

      Não sou ninguém pra comentar sua última frase, mas mesmo como professor, a vida pode oferecer muitas oportunidades. Claro que não será nunca como ganhar numa megasena, mas oportunidades podem ser construídas. Você, espero, em breve vai enxergá-las. Sim, eu sei que você não acredita nisso. Mas faço o registro, apenas.

      Excluir
    3. Alex, não pretendo em momento algum chegar a verdade absoluta, pq acredito que ela não existe. esta é a minha verdade, baseado na minha experiência como historiador e nas minhas leituras; um padre e/ou teólogo pode chegar aqui e discordar completamente de mim, mas ele tb não estaria mostrando a verdade, apenas a sua interpretação baseado em sua experiencia e leituras, (inclusive seria muito bom se alguém discordasse, enriqueceria a discussão), mas o principal não é afirmar UMA verdade, mas respeitar a pluralidade de verdades que coexistem em nossa sociedade.
      Se para vc é um enigma, então, minha ideia é exatamente conseguir deixar isso o mais simples possível, mas, obviamente, isso depende de vc confiar na minha leitura. se vc confiar na minha interpretação, acreditar nela é bem simples, não?
      sobre as oportunidades, não é um problema de eu enxergá-las ou não, é delas existirem ou não, cansei de enxergar oportunidades onde não existem.

      Excluir
  9. Hummmmm... Edição Gibis do TPM X-men especial pro Foxxito! Pedidoanotado! Hehehehe!

    ResponderExcluir
  10. eu gostei muito da forma como você abordou o tema!
    uma verdadeira aula de História muito bem explicada aqui! Já estou ansioso pelas próximas!

    parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é sempre bom saber que alguém gosta dessa coluna.

      Excluir
  11. Muito bom, já tinha ouvido falar tanto mas não sabia de nada. Sempre informativo seu blog :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que bom que estou contribuindo com alguma coisa, Frederico.

      Excluir
  12. Meu filho... naquele corpo tudo era ativo... hahahahaha! Mas eu quis dizer que ele pensava, entendZe?????????? Hugzito, Foxxito!

    ResponderExcluir
  13. Oi ... Confesso que antes não lia essas suas exposições. Passarei a lê-las. Seu texto foi bastante instrutivo para mim. Você expõe com maestria a estória. Parabéns. Abraços !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ah, amigo, sério que vc não lia? pq? achava chato?

      Excluir
  14. Então existe a possibilidade do povo que formou Israel não ser originalmente homofóbico, é isso o que vc está tentando nos mostrar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não, eu estou dizendo que o povo que formou Israel ( por conseguinte a Bíblia) nunca foi homofóbico, de jeito nenhum, o simples conceito é inimaginável para eles. acusá-los de homofobia é um anacronismo. é como esperar que eles se comunicassem por e-mail antes do nascimento de Cristo, culpá-los por algo que nós (do século XXI) inventamos.

      Excluir
    2. Ok. Vou reformular minha pergunta para não gerar erros de anacronismo:

      Por acaso existe a possibilidade do povo que formou Israel originalmente enxergar as manifestações homoeróticas/homoafetivas sem, contudo, condená-las??

      Excluir
    3. ah, vai ter q ler a coluna pra descobrir... hauahauhaua

      Excluir
  15. fox. va direto ao assunto vc ta enrolando demais, cara vc complica, fala apalavra afeminados na biblia tb foi um erro veio. o que quer dizer seu pecado tem se agarvado muito
    euacho que era homossexualidade ativa ñ era ñ, rapaz veja direitinho ai esse negocio da bonito mais vamos ta o nome aos bois

    ResponderExcluir

" Gosto de ouvir. Aprendi muita coisa por ouvir cuidadosamente."

Ernest Hemmingway